segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Carta aberta a um herói

Já dizia uma velha canção de Jessé...

“Meu herói tem um chapéu
Tem um cão leal,
Do vagabundo,
Tem um riso imortal,
E não se cansa de amar."


Meu pai é um herói, mas não tem capa nem chapéu, muito menos um cão leal. Eu sempre o vi assim, um homem grande, forte e por vezes sisudo, imponente de alguma forma.

Meu pai é um herói por proteger sua família com todas as suas forças, por não poupar energias quando o assunto é o bem estar de seus filhos.

Meu pai não se tornou um homem rico financeiramente falando, mas trouxe consigo a maior riqueza que qualquer cidadão pode ter...seus valores!

Meu pai sempre se sacrificou pelos integrantes de nossa família, jamais me esquecerei dos seis dias que passou acordado ao meu lado sentado em uma cadeira de madeira no Hospital São José, mesmo assim portava sempre um belo sorriso.

Meu pai é bem humorado, é um sujeito brincalhão, mas sempre reservará isso pra nós, prefere ostentar sua imponência com seu vasto e experiente bigode, ah, este bigode!

Meu herói não tem curso superior, nunca foi a uma faculdade, na época difícil em que viveu mal teve oportunidade de conhecer o fundamental...Mas teve o orgulho de ver seus três filhos completarem o ensino superior, e não mediu esforços para isso.

Hoje meu herói completa mais um ano, seu aniversário de número 63, dos quais mais de 50 trabalhou arduamente como mineiro e vigilante, e com muito orgulho digo sempre que meu pai é a síntese do que podemos conhecer como “Homem trabalhador”.

Pai, te agradeço profundamente por todo seu empenho e atenção durante minha criação...
Pai, muito obrigado por fornecer tudo o que sempre precisei, meus valores morais e éticos...
Pai, perdão por todas as vezes que cometi erros injustificáveis duvidando de todo o seu amor...
Pai me perdoe por nos dias de hoje estar pouco presente em sua vida...
Por não conseguir acompanhar os jogos que tanto gostamos ao seu lado...
Por chegar quase sempre cansado e já não ter mais o mesmo pique de outrora...

Pai fique sabendo que tudo o que senhor fez e faz para nossa família sempre estará eternizado em minha memória, todo o sacrifício diário no tratamento da mãe, toda logística desenvolvida para meu bem estar.

Sempre será um grande líder, conselheiro e amigo! Meu grande amigo!

Meu herói!


“E eu vi num filme o meu herói
Zombar um ditador cruel
E vi um outro em que ele fez
Estrelas num cenário de papel.”



domingo, 18 de setembro de 2016

Adeus Guilherme... Até o dia que nós nos encontraremos novamente!

Sim meu velho, o grande dia chegou! Seu grande sonho, ao lado de se um jogador de futebol é claro, vai se realizar! Estás a poucos do retorno À sua terra natal! Irás regressar À terra da liberdade, da esperança!

Sua volta é emblemática e envolve a construção do seu futuro! E por mais que doa em dizer, talvez seja realmente o melhor neste momento, afinal, o Guilherme que conheci como meu aluno lá em 2014 já não existe mais, agora já conhecemos um novo Guilherme, maduro e suficientemente capaz de lidar com pressões e anseios!

Campeões no Rogacionista, 2014!

Nossa relação começou como professor e aluno, uma hierarquia comum a todos os jovens com 15 anos, mas o esporte e os bons valores nos uniram, e juntos construímos uma bela e grande amizade! Um fato que é consolidado entre nós é a cumplicidade, pois juntos sempre discutimos além de finais de séries americanas, nossas vidas!

Unidos pelo futsal, juntos conquistamos muitas coisas, e saiba que devo muito mais a você, que sempre me apoiou em vários sonhos que tive, dentre os quais o "Futsal do Colegião", poucos fariam o que você fez por mim, não é fácil ter amigos sonhadores, e eu digo, tenho um!
Aventura em Sombrio, 2015!

Honestidade, bom caráter e sem dúvidas alguma um ótimo humor! Parabéns principalmente a tua mãe pela tua exemplar criação, não é fácil conhecermos nos dias de hoje meninos de 16 ou 17 anos que se sacrifiquem tanto em favor de amigos e familiares!
E como disse, não é fácil conhecer um menino que escute tanto os mais velhos, que saiba realmente ouvir conselhos, que cresce diante de momentos adversos! Você é um deles!

Sobre a viagem e tua estadia, que seja temporária ou não, afinal, só o tempo poderá dizer o quão o Colegião e a pequena Criciúma lhe farão falta. O fato que pode ser comprovado é que tudo ocorrerá da forma mais tranquila e próspera o possível! És um menino aguerrido e trabalhador, jamais poderia conceber outro resultado a não ser o sucesso!

Vivenciamos juntos nestes dois últimos anos alguns momentos memoráveis, nenhuma briga ou discussão, e como já disse, és o atleta de futsal mais completo em sua idade que já vi de perto! Um talento longe de ser nato, mas fruto de uma força de vontade inigualável!
Vice-campeão no Rogacionista, 2016!

Campeão da Copa Michel, 2016!

Saiba que tua ausência ecoará por todo o Colegião, Rogacionista, bairro Operária, locais que sem dúvida alguma você deixou sua marca!

Por fim, saiba que lhe adotei como um espécie de irmão mais novo durante este período, algo que nunca tive a oportunidade de ter! E todos os conselhos, e por vezes até sermões, sempre foram pensando no melhor pra ti! E sempre soube, mesmo que você quisesse partir antes, e eu dizendo ser a hora errada, sabia que me escutavas! Mas a hora chegou meu velho!

Trabalho voluntário nos Jogos do STS, 2015!

Sucesso sempre estarei aqui para o que precisar como sempre tive! Desejo-lhe o melhor! Não esqueça nunca de onde vieste, tua essência... jamais deixe de ser quem você é! Um grande vencedor!

Abraços, amigo! Vlw, Flw!

"E o que quer que aconteça nunca cresça
Não se esqueça de guardar
O amor no seu peito, a lembrança do tempo
A humildade na mão e os amigos no seu coração"






segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Um sonho realizado! Somos gigantes!

Realmente foi uma grande conquista, daquelas que ficam marcadas na memória de qualquer sujeito, afinal, não é todo dia que uma equipe com pouco mais de seis meses de treino desafia seus próprios limites e galga um lugar entre os melhores.

O dia era 13 de Agosto, um sábado ensolarado, com um frio maroto de um falso inverno. Desde cedo todos os garotos do projeto “Futsal no Colegião” já mostravam empolgação por este tão famoso torneio, pois ali teriam a chance de mostrar a todos que superaram suas deficiências físicas e técnicas. Tinham a real oportunidade de calar críticos e de levar mais longe o nome de sua escola amada...

Mas nem tudo é perfeito...

Para começo de conversa, devemos situar o leitor que todo este texto relata uma verdadeira odisséia de 10 grandes guerreiros, jovens, porém com fome de vitória! Outra informação relevante é que estavam em ambiente hostil, diante de experientes equipes.
O sorteio das chaves já foi ingrato conosco, nossa comissão técnica previa o pior, era quase um fato consumado que seríamos os grandes azarões da competição, acho que só nós (Rodrigo e Lucas Cechinel – O narrador desta história) acreditávamos de fato que poderíamos surpreender de alguma forma.

Realmente era um bicho de Sete-cabeças...

Começamos mal, da pior maneira possível, jogando um futsal morno, diferente do que estávamos praticando e treinando, por alguns minutos parecíamos crianças diante de adversários gigantescos, e já saímos com uma derrota logo de início, 1 a 0 com cheiro de quase goleada, Alexandry nos salvou! Ahh, São Alexandry, impediu o pior!

O choque de realidade era cada vez mais vistoso quando entramos em quadra pela segunda vez, e diante de um adversário de marcação conservadora, até saímos na frente.

Enganados por novos erros consecutivos e uma falsa confiança, sucumbimos diante de um time relativamente fraco, ora, o porquê julgá-lo fraco? Nós conhecíamos nosso potencial, tínhamos obrigação de mostrar mais que isso!

Mas...Não mostramos!

Novamente um balde de água fria, e mais um 3 a 2 com cara de goleada, desta vez ambos os goleiros nos salvaram! Só Alexandry e Deivid para evitar tamanho desastre!
E o estudo de tabela começou...E teve que continuar até o fim!

Rodrigo e eu conversávamos muito, era uma preocupação eminente, pois estávamos praticamente eliminados, consolamos nossos rapazes dizendo que aquilo era um teste e que outras oportunidades ainda viriam. É fato que sentíamos uma dor insuportável, talvez vontade de sumir, um sentimento de fracasso e uma amargura descabida!

Mas, levantamos a cabeça e fomos para o jogo mais difícil da primeira fase, ainda flertando com a terceira colocação do grupo, para assim sonhar com uma repescagem.

O Time adversário tinha nomes conhecidos do futsal criciumense, grandes jogadores, campeões por diversas ocasiões de campeonatos de grande magnitude! Rodrigo e eu estávamos preocupados.

A partida iniciou e o invicto adversário sobrou em quadra, marcou primeiro e muito pressionou! Mas, crescemos! E fomos com todas as forças pra cima deles, resultando em um belo gol de empate de Guilherme, este que neste momento se consolidava como um dos grandes nomes do torneio... Mas ainda era insuficiente...

O jogo virou, acredite!

Sim caro leitor, viramos este jogo, e com um milagroso gol já nos instantes finais saímos vencedores do duelo mais difícil que esta equipe já enfrentou! Milagre? Sei lá! Eu sei é que ganhamos, e comemoramos como se fosse um título!

Mas, dependíamos de outras equipes para consolidarmos nossa classificação e o resultado que nos afetaria era improvável, afinal, dependíamos de um empate ou derrota deste grande time que havia perdido pra nós outrora.

Unidos às meninas do projeto, que, diga-se de passagem, foram essenciais para esta conquista, montamos uma verdadeira torcida organizada e a todo ataque deste time, montávamos uma verdadeira legião de adeptos às vaias! E deu certo! Saímos em direção aos nossos “Aliados” e responsáveis pela nossa classificação e os abraços e comemoramos muito! Foi um 0 a 0 suados, nós estávamos aflitos!

A partir daquele momento passamos a acreditar!

Sim, passamos a crer mais em nossa equipe, e na repescagem, tida como quarta-de-final enfrentamos um velho conhecido de muitos que estão no time, o “Não vai cego”, clube campeão do ano anterior.

Em um jogo bastante disputado e com um excelente desempenho, despachamos os ex-campeões, foi 2 a 1 com gosto de goleada, sobramos em quadra. Rodrigo já ausente por compromissos com certeza vibrava a cada novidade enviada por nossas meninas.

Eu já não imaginava outra coisa, à beira da quadra já pressentia que estaríamos entre os finalistas, tudo o que eu e o treinador havíamos solicitado em jogos anteriores estava sendo executado, e com verdadeira primazia!

Insistentemente “Cantei” o jogo, conhecia o adversário, e deu certo! Os nossos garotos jogaram muito, muito mesmo!



O Maior desafio ainda estava por vir!

Rodrigo e eu éramos taxativos, desejávamos a final, queríamos um novo jogo de camisas completo, era nosso objetivo. A semifinal era o jogo mais importante pra nós, talvez do ano todo!

E jogamos contra o “Bagunças”, uma verdadeira reunião de bons jogadores acostumados com a quadra e com o ambiente de competições!

E foi um mais um jogo muito tenso! Nossa! Sentia a tensão no olhar de todos, e repassei o máximo de confiança aos jogadores, estes que até aqui executavam cada comando meu e de Rodrigo com absoluta perfeição, era um orgulho de se ver jogar!

E diante de um jogo difícil, em que as estrelas de Alexandry, Guilherme e Eduardo brilharam muito, saímos com empate! Bruno e Kelvin guardavam nossa defesa como verdadeiros leões, apoiando o ataque como podiam!

O inevitável ocorreu, fomos aos pênaltis, coisa que Rodrigo e eu trabalhamos muito duro com todos, já ficamos quase um dia todo só fazendo isso, e com absoluta tranqüilidade triunfamos diante de uma situação completamente adversa!

Era visível que atrás do gol os nossos atletas eram xingados, menosprezados e pouco contavam com algum apoio! Alexandry ficou “Frio”, e espantou os batedores! Coube a Guilherme, Eduardo e Bruno estufarem as redes! As meninas gritavam e eu, bem eu...Chorava!

Sim, creio que todos ficaram emocionados, era uma imenso passo pra quem chegou como chacota ou “Patinho feio” de uma grande competição! Fui às lágrimas pensando em todas as barreiras que já rompemos tocando este fabuloso projeto de futsal!

Gostaria imensamente de agradecer ao nosso treinador Rodrigo Leandro, que juntamente aos atletas Kelvin e Guilherme, acreditaram desde o início neste sonho “Louco” que tive há tempos atrás!

Afinal, quem aqui trabalharia gratuitamente terças, quintas à noite e sábados pela manhã? Quem aqui pintaria quadra ou buscaria orçamentos de bolas baratas até em outros municípios? Só os amigos verdadeiros, podem ter certeza!

A foto que representa o meu choro, este consolado pelo atleta Alison Demetrio só demonstra a união e coesão que tivemos nestes últimos dias!
São 12 atletas, infelizmente nem todos puderam participar desta conquista, mas também venceram conosco!



Em um ano atribulado, e com vários dilemas, consegui respirar fundo e dizer que conduzimos um projeto de vencedores, de atletas vencedores! Rapazes que entraram como meninos e hoje saem como homens!

Superamos críticas, desconfianças e muitos comentários maldosos, mas hoje podemos afirmar, somos realmente vencedores!

Obrigado a todos os atletas! Alexandry, Deivid, Eduardo, Bruno, Kelvin, Guilherme, Alison, Richard, Kenny e Christian, e também uma menção honrosa aos ausentes Samuel e Murilo e ao Auxiliar técnico, neste torneio, Otávio Augusto.

Um agradecimento maior à direção da escola que apoiou todo este projeto desde o início e também ao meu grande amigo e treinador desta equipe, Rodrigo Leandro, que merece ser saudado por todos por sua grande iniciativa de acreditar em nosso time!

Curta o vídeo deste grande momento!

Valeu rapazes, até a próxima conquista! O Colegião é gigante de novo!

Como foi dito...Que não vai dar o quê!

Um imenso abraço!

sexta-feira, 15 de julho de 2016

São os lances da vida!

Jamais me esqueço! Tratava-se de uma tarde ensolarada, novembro de 2015! Estava chegando de mais um dia intenso de trabalho, não era um dia comum e sabia disso desde o início do mês. 

Chegava em casa esperando notícias de uma consulta da minha mãe, uma das poucas que não consegui ir nos últimos anos, estava tenso na escola que lecionava, era visível que não era um dia como outro qualquer.

Cheguei pontualmente, como de costume, Às 17h10, e lá estava parte de minha família reunida, meu irmão e mãe pai conversavam, resolvi esperar uns minutos até intervir, e quem me conhece sabe que isso foi sacrificante, pois realmente sou muito metido e ansioso. Resolvi questionar logo meu irmão, este que foi em meu lugar nesta decisiva consulta da minha mãe, e o mesmo foi enfático..

- A mãe realmente está com câncer, Lucas!

Pensei por uns 3 ou 4 segundos, não mais que isso, juro! E Logo dei veredito:

- Agora vamos buscar o melhor tratamento, deve estar em uma fase inicial, temos que nos unir e correr contra o tempo.

Meu irmão confirmou, realmente era o estágio inicial da doença, e a médica (Mastologista) foi determinante ao dizer que os riscos seriam baixos se tudo (exames e consultas com especialistas) fosse resolvido rapidamente.

Com um largo sorriso afirmei que resolveríamos tudo com a maior rapidez possível, tranquilizando assim meus pais, no mesmo dia fui com meu irmão ao posto de saúde para vermos os primeiros papéis da cirurgia que minha deveria fazer, e todo o processo já começou a progredir desde aquela tarde ensolarada.

Mas... Confesso que:

Escondi minha angústia momentaneamente, pois sabia que desde aquele momento muitas coisas mudariam em nossa casa, em nossas vidas. No mesmo dia resolvi parar, refletir e repensar muitas vezes a situação que passaríamos a enfrentar, já imaginava que estávamos lidando apenas com a ponta do iceberg.

Não foi um final de ano positivo, e nem um pouco agradável! Era impossível não reparar que eu ficava cada vez mais ansioso e tenso com todos os procedimentos e desafios que via minha mãe enfrentar, achava injusto a todo o momento ver o quanto a mesma se desgastava com intensos exames, que na maioria das vezes eram desconfortáveis e dolorosos, sofria junto, eu confesso.

Por vezes preferi não externalizar meu sofrimento, talvez minha impotência, estava ali o momento mais difícil da minha vida! Sabia que para dar um conforto maior para meus pais, teria que abrir de muitas coisas, até de atividades que tanto amo.

A vida tem que seguir...

A primeira atitude que tive, foi correr atrás de tudo o que facilitasse a vida da minha mãe, e uma delas seria abdicar de minhas aulas de Geografia, algo que foi tão doloroso quanto levar uma facada no peito, doeu e dói demais até hoje...

Mas sabia que seria por um bem maior, poderia assim levar minha mãe nas sessões de radioterapia, ela se sente melhor comigo ao lado, e era o mínimo que eu poderia fazer diante de todo amor, carinho e dedicação que ela teve ao me criar. E digo que jamais me arrependo do que fiz, faria tudo de novo mais um "Zilhão" de vezes.

Foram mais dois meses de idas e vindas diárias de casa pro Colegião, do Colegião pra casa, de casa para o hospital, do hospital pra casa e por fim de casa para o Colegião.

Às vezes refletia muito sobre tudo o que estava acontecendo, do cansaço que via minha mãe transparecer (mesmo sempre conservando um imenso sorriso), e diante de tudo isso não conseguia ter tempo para chorar ou me desesperar, sempre tentei ser uma rocha sólida ao seu lado, lhe repassando a maior segurança possível.

Sempre conservar pai e mãe...

É  sabido por todos! Pai e mãe valem todo esforço, sangue ou coração! E mesmo com o tratamento ainda andamento, já vencemos várias batalhas! Já passamos por uma cirurgia, 30 sessões de radioterapia, minha mãe continua com a quimioterapia via oral, ainda tem de passar pelo oncologista... Talvez tenha que retornar mais algumas vezes para alguns procedimentos...

Afirmo que nestes últimos 9 meses eu tenha envelhecido uns 5 anos, foram noites mal dormidas, ansiedade e preocupações a flor da pele a todo o momento, contudo também ficou claro que aprendi muito com tudo isso!

Passei a dar mais valor para minha família, principalmente aos meus pais! Nada me deixava mais feliz que ver o Ânimo de minha mãe e o "Gás" do meu pai, que sempre me deixou seguro cobrindo minha sonolência e cansaço deste período.

Finalizo agradecendo a todos pela leitura e deixando esta foto que simboliza toda minha alegria por mais uma batalha vencida!










terça-feira, 31 de maio de 2016

Não leve a mal! "Se os professores fossem jogadores de futebol..."

Antes de tudo leia isso: A proposta é uma brincadeira, não desvaloriza o papel essencial do professor na construção de uma sociedade mais digna,  informada e crítica, portanto, "Não leve a mal", falou?!

Sim, com uma leva de humor trago mais um texto, desta vez menos pragmático! Neste relato construo algo que sempre considero interessante em sala de aula, as comparações! Logicamente não menosprezo o trabalho dos jogadores de futebol, afinal, o entretenimento e o esporte são fundamentais!

Mas, diante do cenário em que vivemos, sabemos que há um diferença muito grande entre atuar no ensino público e ser professor de uma grande Universidade pública (Apesar de estarem sucateadas também), assim como sabemos que jogar no interior do Piauí é bem diferente de atuar no Real Madri ou Barcelona.

E sabendo que temos desafios imensos em nossas carreiras, como o próprio ingresso na universidade, aulas como ACT (Admitido em Caráter temporário), Concursos e tudo mais, podemos comprar tudo isso às divisões de base, testes e afins, etapas necessárias a um jogador de futebol!

Abaixo, com o bom humor de sempre, começo comparar como seriam uma escala hierárquica entre professores e jogadores de futebol, afinal, qual professor não deseja um dia estar no meio dos maiores e melhores? Institutos Federais, Universidade públicas e privadas são sempre os grandes aspiração de todos os docentes! E quanto aos atletas? Imagino que todos um dia almejam frequentar estádios lotados  e embolsar muita grana no velho continente, defendendo times tradicionais e multicampeões.
_____________________________________

1º Nível: 
Professor: Início de carreira ( É ACT e está entre 1ª e 5ª fase) já sabe muito, mas tem espaço e contrato limitado.

Jogador: Início de carreira, começa a fazer seus primeiros jogos em times menores, joga pouco tempo e atua poucos meses do ano, é como se fosse um jogador do Atlético de Ibirama, disputa um estadual e talvez um série D.

_____________________________________



2º Nível: 
Professor: Já formado (Inciando a carreira com vaga de ACT) Já tá com a bola toda, entende os alunos e é compreendido, porém ainda busca mais estabilidade, contudo já atua o ano letivo todo, ou quase.

Jogador: Ainda busca firmar-se no mercado da bola, em uma comparação, é como se estivesse atuando em um clube da série C, tipo o Caxias, por exemplo.


_____________________________________


3º Nível:
Professor: Já efetivo no sistema público ou estável no regime privado, fase em que já possui alguns privilégios, porém por vezes trabalha muito, lida também com horários um pouco mais flexíveis.

Jogador: É como se estivesse em um bom clube da série B, time que tivesse alguma torcida, identificação, mas ainda longe de ser o melhor do Brasil, algo tipo o Joinville ou Criciúma.
_____________________________________


4º Nível:
Professor: É professor de universidades privadas com vínculo em escolas públicas ou privadas também, possui ambiente de trabalho privilegiado e remuneração acima da maioria dos outros professores, é reconhecido e possui títulos que a maioria não tem (São mestres, Doutores).

Jogador: É um jogador de um grande clube brasileiro, é o máximo que pode chegar em seu país, algo como atuar no São Paulo, por exemplo.

_____________________________________


5º Nível:
Professor: É efetivo em Institutos federais, e reconhecido por atuar nas melhores escolas do Brasil, contando com boa estrutura e estabilidade, a remuneração também pode ser muito maior que a de seus colegas do Estado ou municípios. Possuem títulos também! (São mestres, Doutores).

Jogador: Agora atuam em clubes que além de remunerá-los bem, são do exterior! Não chegam a ser os melhores do planeta, mas estão muito próximos disso! Seria como atuar no Borussia Dortmund (Alemanha), por exemplo.
_____________________________________


6º Nível:
Professor: São efetivos em Universidade Federais, isso mesmo, diante de concursos extremamente difíceis, os mesmos se utilizam de vasta experiência e títulos, alguns com formações no exterior, são conhecidos como referências em suas áreas de atuação.

Jogador: É  como atuar entre os grandes do planeta, algo como Real Madri ou Barcelona.
______________________________________

É isso ai, como os adeptos do futebol sempre dizem, um dia quero ser do Barça ou do Real, eu rimo finalizando que gostaria de ser de uma federal! 

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Enfim o dia chegou...O Shopping das Nações abriu, e agora?

Sim, o gigante foi inaugurado, surgindo como um oásis no esquecido e por vezes negligenciado sul catarinense. Surge com a missão, ou não, de oferecer tudo o que as pessoas de nossa região necessitavam: Mais cinemas, opções de compras e até mesmo (mono) cultura.

O Trânsito e transformações vinculadas à mobilidade urbana já foram executas, mas, outras devem vir, haja fila, amigo! Para elencar tal comentário, podemos citar que já foram construídos desvios, instalados semáforos e muita sinalização, lógico.
Nações Shopping: Haja Trânsito amigo!

Mas e agora?

Agora o gigante que está localizado na Grande Próspera com seus imponentes 90 mil m² irá engolir por pelo menos 6 meses todo o varejo de nosso município e da região, serão meses tortuosos, que muitos lojistas irão pagar penitências atrasadas, afinal, lojas satélites como Riachuelo, Renner, Cassol, Paquetá, GNC Cinemas entre outras irão "bater" com todas as suas energias.

Saiba que até mesmo uma chamativa e cativante pista de patinação foi inaugurada, é comum ouvirmos que agora os criciumenses realmente sabem o que é ter um Shopping Center perto dos seus lares, não precisando ir até Tubarão conhecer o Farol Shopping, aliás, O que é Farol Shopping mesmo?

Para nós, consumidores desta realidade capitalizada e que prega o consumismo, não podemos descartar uma boa ida ao Shopping das Nações, pois temos tudo ao alcance, é tudo tão prático!
Lá, por vezes esqueço que preciso andar dezenas de quadras para efetuar uma pesquisa de preço, como mencionei, o varejo de Criciúma é o "Grande derrotado", a famosa Henrique Lage poderá ser exterminada, pois além da concorrência do e-commerce, enfrentará um Shopping das Nações que promete "Abalar" com baixos preços e conforto.

Ficha técnica e comparações!

Pega ai a ficha técnica do "Gigante"!
Grupo proprietário: Almeida Junior
Investimento: R$250 milhões.
Quantidade de lojas: 15 âncoras e megalojas, 158 lojas satélites.
Praça de alimentação: 24 empreendimentos, mais 2 restaurantes.
Cinema: 6 salas, inclusive sala VIP.
Estacionamento: Com sistema inteligente, muitas vagas cobertas, um total de 2.000 vagas disponibilizadas.
Empregos diretos: 2.500 vagas.
É o sexto shopping do grupo, 

Segundo o próprio site do Grupo Almeida Junior, a grandiosidade da obra permite apontar que a quantidade de concreto utilizada na construção possibilitaria a construção de 21 edifícios com pelo menos 15 andares cada.

Pela vasta pesquisa realiza, é notório que os maiores shoppings de nosso estado pertencem ao Grupo Almeida Junior, no caso de Criciúma, "Shopping Della" e "Criciúma Shopping" terão faturamento prejudicado por um bom tempo, apesar de ressalvas, sabemos que a novidade é muito mais atraente.

Mas o Nações shopping, é um dos maiores do estado?

Segundo fontes pesquisadas, como a ABRASCE - Associação Brasileira de Shopping Centers, Santa Catarina possui atualmente 31 Shopping Centers, sendo que além dos grandes empreendimentos do Grupo Almeida Junior temos o Beiramar Shopping, Floripa Shopping, Iguatemi.

Para uma comparação mais justa, temos um balanço de cada um dos seis shoppings do Grupo Almeida Junior.


Balneário Shopping - Balneário Camboriú

Continente Shopping - São José

Garten Shopping - Blumenau

Nações Shopping - Criciúma



Neumarkt Shopping - Blumenau

 Norte Shopping - Joinville

Afinal, vale a pena aproveitar e desfrutar de todo o conforto oferecido por este gigante? E nosso comércio local, quais respostas o mesmo dará?

São questionamentos que só o tempo vai responder...



quinta-feira, 31 de março de 2016

Somos só poeira estelar...

Me livrando das amarras e do pessimismo vinculado à carreira de professor, descrevo com palavras cruas e simplórias mais um episódio que fortalece minha relação afetiva com o ato de ensinar.

Você deve estar se perguntando...Mas e o título, o que tem a ver com a vida de professor?

Lhe digo que tudo, principalmente para quem ama estudos relacionados à Geologia e Astronomia, campos que marcam presença na Geografia, principalmente no ensino médio.Cito também que Carl Sagan é a fonte de toda essa inspiração...

Um livro é a prova de que os homens são capazes de fazer magia.
Carl Sagan

Pois bem, chega de enrolar  conversa...

Nesta semana vivenciei o máximo de interação que um professor pode ter com um pupilo, pelo menos na minha concepção, o ato de repassar um livro! Afinal os mesmos são sinônimos do conhecimento e aprendizagem, e minha experiência foi extremamente significante e emocionante.

Na tarde do dia 30 me despedi do melhor aluno que já lecionei neste 5 anos de profissão, e olha que já lecionei para alunos fantásticos, brilhantes! Mas Mateus de Brida foi substancialmente especial, a cada aula de 2015 me via em um intenso ritmo de estudo, pois sabia que seria sempre desafiado pelos questionamentos propostos por ele.

Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você.
Carl Sagan.

Nesta ensolarada, mas nebulosa tarde do dia 30, Mateus me disse que retornará para seu município de Joinville, de fato compreendi logo de cara o porquê de seu regresso, entendi também que tudo será facilitado em sua vida com esta volta, pois estará próximo de familiares e suporte para se aproximar de seu sonho, a astrofísica.

E onde entro nesta história?

Mateus é um excelente rapaz, um aluno extremamente educado e disciplinado, e forneci neste alguns dos meus melhores livros que relacionam Geografia, Astronomia, Geologia e Astrofísica e o rapaz devorou várias leituras tidas como muito complexas com certa facilidade, destaco sua afeição por um livro em especial, o famoso "Decifrando a Terra", um "Manual" de geociências.

Fonte da imagem: http://seboogeraldo.loja2.com.br/img/d041c40442b1fc4558e8877831a2bf44.jpg

Neste mesmo dia 30, Mateus me entregou os livros, dizendo que tinha sido muito proveitoso ler e construir pesquisas nos mesmos, concordei pois sei bem da qualidade deste materiais, mas fiquei com um imenso peso por ver que ele ainda não havia completado todas essas leitura....

Resolvi executar o mais correto, e repassei o livro "Decifrando a Terra" a ele, como um presente, símbolo de tudo o que vivenciamos como professor e aluno, de nossa relação de troca de informações e questionamentos intensos, sei que ele precisará e usará muito melhor que eu a partir de agora.

Nós somos feitos de poeira de estrelas
Carl Sagan.

É um ato simples, mas encaro como se tivesse passado o bastão, e essa foi a primeira vez que fiz isso, é interessante para alguém como eu, mesmo tão novo se sentir superado, é como se deixasse de ser seu mestre, e me tornasse agora o seu colega, com muita satisfação, lógico.

Encaro este momento de transição como algo único em minha carreira, posso ter a certeza que todos os meus ensinamentos realmente foram efetivos e servis.

O momento mágico, do repasse deste livro não está somente vinculado ao valor financeiro do livro, ou do simples fato de ser um presente, mas como disse, marca uma fase de transição, um recomeço.

Esta lição me deixa ainda mais empolgado e fortalecido! Tenho certeza que todo esforço é válido e cada vez mais tenho certeza que a sala de aula realmente é o segundo lar.

Obrigado, Mateus! Deixo aqui versos que realmente são significante pra mim!

Só pra ver, testemunhar
E nada nesse mundo há de apagar
Pois somos feitos de histórias

Se o mundo lá fora quer te apunhalar
Lembre que seu corpo é só poeira estelar
Tudo que importa é o agora e nada mais

Tudo que nós temos é apenas o que a gente faz...


terça-feira, 1 de março de 2016

A importância do trabalho voluntário - O Futsal Ressurge no Colegião!

Neste ano dei passos diferentes na minha carreira como professor, e não titubeei em utilizar meu tempo livre para promover algo que amo desde cedo, o futsal! Com a ajuda de fiéis companheiros dei início a um sonho antigo e que estava esquecido lá na última gaveta de minha ocupada "cachola", trabalhar de maneira voluntária e incentivar o esporte.

A Oportunidade de trabalhar com o futsal resplandeceu em definitivo e juntamente com meus companheiros Guilherme Patricio e Rodrigo Leandro entramos numa luta ferrenha para fortalecer a imagem do Colegião no que se refere à futsal.

Os primeiros passos já foram dados, juntamente com meus colegas e apoio da direção e grupo de professores conseguimos a revitalização do tablado de nosso ginásio, e nós, de maneira voluntária, participamos desta pintura, deixando assim nossa quadra pronta para jogos e treinos, foi somente um primeiro passo, mas já foi dado.

"Virtude sem caridade não passa de nome."
Isaac Newton.
Agora já lutamos para a formação de equipes masculinas e femininas visando a formação esportiva e também cidadã, afinal, sabemos que o esporte gera disciplina e também responsabilidades, e fundamentalmente é isso que desejamos.
Como é ser voluntário...

É algo sublime, quando se há continuidade então, é algo muito dignificante, não há um ser humano em sã consciência que não respeite o trabalho voluntário, afinal, por vezes vemos bombeiros, médicos, dentistas e treinados esportivos voluntários.

"O trabalho poupa-nos de três grandes males: tédio, 
vício e necessidade."
Voltaire.

O desenvolvimento de um belo projeto e parcerias e amigos é extremamente importante, primordialmente para o amparo de choques e possíveis decepções que possam ocorrer. Sugiro também que quando pensares em executar alguma atividade de maneira voluntária, reflita bem sobre o fim da mesma, no meu caso busquei algo que eu e meus amigos temos afinidades e certo domínio, pois gostaria de desenvolver algo bem diferente do que já exerço como profissão.

O que buscamos...O que busco...

Todo indivíduo que presta atividades voluntárias precisa buscar satisfação, seja em guiar, ajudar ou até mesmo em auxiliar o próximo, deve estar de mente e coração limpos, pois trata-se de um trabalho que pode ser realmente "Trabalhoso" e por vezes duro.
                                                                 
O reconhecimento nem sempre faz parte deste pacote, pois as críticas destrutivas costumam ser mais corriqueiras que as construtivas, vide como nossa sociedade é hipócrita e pouco confiável, ou corrupta e desleal mesmo.


"Todo o trabalho é vazio a não ser que haja amor."
Khalil Gibran.
Como cidadão, o que busco é a satisfação coletiva e o reconhecimento esportivo da escola que tanto amo, pois sei que me dedicarei a mesma por vários anos, e desejo que estes anos sejam brilhantes e bastante movimentados.

Aos alunos/ atletas e colegas que estão comigo nessa...

Desejo que aproveitem essa oportunidade, pois como é dito e repetido por muito:

- Não tinha isso aí no meu tempo! Não de graça!

Podes acreditar caro colega leitor, não tinha mesmo, portanto, vamos fortalecer a imagem desta que é a maior e melhor escola pública de Criciúma! Trazendo títulos, medalhas e também formando belos cidadãos que com certeza serão os responsáveis por neutralizar e reverter todo este panorama detestável que convivemos em nossa nação! Serão os agentes transformadores, os grandes heróis! Disciplinados e alguns até mesmo "Bons de bola"



Para todos que se dedicam ao próximo...

Mais imagens, clique amplie: